Páginas

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Sistema de Cotas: a melhor solução?


O sistema de cotas tem a finalidade de diminuir a elitização dentro das universidades públicas. Ele propõe amenizar as diferenças entre quem tem condições a boa educação, concentrada em colégios particulares, e quem não possui a mesma oportunidade. Mas será mesmo esse o propósito do sistema? E se a intenção for boa? Será a única e melhor saída?
O sistema de cotas acentua uma grande realidade: a discriminação. Além da separação entre educação pública e privada já existente, ele novamente distingui quem está apto a fazer um vestibular pelo método convencional e quem precisaria de uma 'forcinha extra' para ingressar em uma universidade de alto nível.
Muitos de nós, brasileiros, concordamos com essa situação, e assim colaboramos ainda mais com a disparidade existente em grande escala no nosso país. E o pior, achamos que estamos sendo justos e solidários, dizemos que o próximo também merece uma chance. De fato, todos merecem, desde que seja baseada na igualdade, e não como uma nova forma de camuflar as diferenças, pois só alcançaremos um igualitarismo quando existir um ensino fundamental e médio de excelência para todos.
Mas a grande questão: é mais fácil para o governo reservar trinta, quarenta e até mesmo cinquenta por cento das vagas oferecidas por uma faculdade para estudantes de redes públicas do que investir na educação. É bem mais fácil o governo reservar vagas do que valorizar o trabalho de um professor, do que investir em infra-estruturas dos centros educacionais e mudar o sistema de ensino. É mais fácil o governo dizer o quanto foi difícil para alguém caminhar quilômetros para poder chegar a uma escola do que construir mais da mesma, disponibilizar meios de transporte e arrumar estradas. E como os bons brasileiros que somos, batemos palmas, nós aprovamos e ainda praticamos essas atitudes, porque também é simples esquecer que o governo somos nós e aceitar essa realidade do que clamar por mudanças maiores, por mudanças de verdade.
Concluo dizendo que o sistema de cotas vem apenas como uma forma de manipulação pública, varrendo as diferenças para de baixo dos tapetes da ignorância e como uma maneira de tirar o peso da consciência. Assim é a pátria que cultivamos, e assim são vossos filhos, baseados na mentira, nas facilidades e na hipocrisia.

Bianca Monsores

5 comentários:

Rômulo Pine disse...

Ótimo texto, Bianca!
E infelizmente, muitas pessoas e o governo acreditam que seja melhor colocar um balde debaixo da goteira do que arrumar o telhado.

Bjoos.

David Monsores disse...

Olá!
Perdi todo o comentário que ecrevi, mas enfim, me recompondo... vamos de novo!

Esse é o grande paradoxo atual nas discussões estudantis.
Um mecanismo de inclusão pode ser muito mais um mecanismo exclusivo.
Vivemos uma época do imediatismo e comodismo. Controle remoto e internet. Cômodo e imediato. Dessa forma, muitas visões e ações são permeadas por essa tendência. Porque publicamos no blog e não um livro?
Paliativos...

Expôs muito bem o tema, e os pontos de vista.
BeijO!

Guilherme Borges disse...

Muito bem escrito. Você conseguiu expor exatamente a infeliz condição em que vivemos no momento. Onde o governo prefere continuar com seu "jeitinho brasileiro" a implantar reformas de base.
Continue escrevendo, adoro ler seus textos. ;D
bjoo

Fernanda disse...

Adorei os textos,Bibi! *-*

Matheus Feitosa disse...

Seu visão critica é realmente surpreendente!
Adorei os argumentos! ;D